sábado, 18 de julho de 2015

Bibliografia de Thiago de Mello


*Esta bibliografia (incompleta), informa o ano da primeira edição. Algumas obras têm dezenas de edições.
Poesia:
o    Silêncio e palavra, 1951
o    Narciso cego, Ed. José Olympio, Rio de Janeiro, 1952
o    A lenda da rosa, 1956
o    Vento Geral (reunião dos livros anteriores e mais dois inéditos: Tenebrosa Acqua e Ponderações que faz o defunto aos que lhe fazem o velório), 1960.
o    Faz escuro mas eu canto, 1965
o    A canção do amor armado, 1966
o    Poesia comprometida com a minha e a tua vida,  1975
o    Os estatutos do homem, ilustr. de Aldemir Martins, 1977
o    Horóscopo para os que estão vivos, ilustr. de Ciro Fernandes, 1982
o    Mormaço na floresta, 1984
o    Vento geral, 1981
o    Num campo de margaridas, 1986
o    De uma vez por todas, 1996
o    Acerto de contas, 2013


Prosa:      
o Notícia da visitação que fiz no verão de 1953 ao rio Amazonas e seus barrancos, 1957
o A estrela da manhã: Estudo de um poema de Manuel Bandeira, 1968
o Arte e Ciência de Empinar Papagaio, 1984
o Manaus, amor e memória, 1984
o Amazonas, pátria das águas, com fotos de Luiz Cláudio Marigo, 1991.
o Amazônia, a menina dos olhos do mundo, 1992
o O povo sabe o que diz, 1993
o Borges na luz de Borges, 1993
o Vamos festejar de novo, 2000

No exterior:
o    Madrugada campesina,  Santiago do Chile, 1962
o    Poemas, trad. dePablo Neruda, ilustr.ação de Eduardo Vilches, 1962
o    Horóscopo, Santiago do Chile, 1964
o    Os estatutos do homem, Lisboa, 1968
o    Los estatutos del hombre, Montevidéu, 1970
o    What counts is life, EUA, 1970
o    Canto de amor armado, Buenos Aires, 1973
o    Poesia comprometida com a  inha e a tua vida, Lisboa, 1975
o    A canção do amor armado,  Lisboa, 1975
o    Dio Statuten des Menschen, Alemanha, 1976
o    Gesang der Bewffneteten Lieben, Alemanha, 1984
o    Os estatutos do homem, divulgação do Correio da Unesco, tradução para mais de trinta idiomas, 1982
o    Poesia de Thiago de Mello, Casa de Las Américas, La Habana, Cuba, 1977
o    Chant de l'amour armé,  Paris, 1979
o    Amazonas, land of water, EUA, 1986
o    Statutes of Man, Selected Poems, Inglaterra, 1994

Como tradutor:
o    Antologia Poética de Pablo Neruda, Rio de Janeiro, 1963
o    A terra devastada e os homens ocos, de T.S. Eliot, Santiago do Chile, 1964
o    Salmos, de Ernesto Cardenal, 1983
o    Poesia Completa de Cesar Vallejo, Rio de Janeiro, 1985
o    Sóngoro Cosongos e outros poemas, de Nicolás Guillén, 1986
o    Debaixo dos astros, de Eliseo Diego, 1994
o    Versos do capitão, de Pablo Neruda, 1994
o    Cântico Cósmico, de Ernesto Cardenal, 1996

Poemas de Thiago de Mello musicados e gravados:
o    Faz escuro mas eu canto, música de Monsueto, gravado por Nara Leão em 1963, no disco Manhã de Liberdade. Ouça aqui.


o    Die Statuten des Menschhen (Os estatutos do homem), Cantata para orquestra e coro, música de Peters Janssens, Alemanha, 1976