sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Vida de colono

A serra norte fluminense foi importante região cafeeira na segunda metade do século 19. Belas casas de fazenda ainda preservadas dão testemunho da vida e dos hábitos dos barões do café. Mas e os pobres, como viviam? Quais eram os modos e costumes dos trabalhadores brancos que vieram para substituir os escravos e dos negros que permaneceram nas fazendas após a Lei Áurea?

Participantes de uma cuidadosa pesquisa feita em Trajano de Moraes, município vizinho a Santa Maria Madalena, Elizabeth Linhares e Mara Mendonça vão nos contar na FLIM como era a vida rural nos tempos do colonato do café na região. A pesquisa se baseou nas memórias dos moradores de um assentamento rural em Trajano. Homens e mulheres, entre elas Mara Mendonça, contaram como seus pais e avós construíam a casa em que viviam, como se relacionavam com os donos da terra, como plantavam e criavam animais, o que comiam e como se divertiam com jogos, músicas e brincadeiras.

Está tudo no livro Vida de Colono, um trabalho primoroso, com fotos e ilustrações de primeira. Mas a obra está esgotada e sem nova edição à vista. A palestra de Mara e Beth é uma rara chance de entrarmos em contato com essa parte do passado brasileiro. Vai ser no sábado 26, às 11 horas. E aproveite para degustar algumas receitas culinárias dos colonos, que estarão à venda em benefício das obras sociais do Clube dos Leões do Brasil.

Um comentário:

  1. Bom dia. A palestra está disponível em vídeo ? Sou neto de colono, imigrante italiano que trabalhou em São Franscisco de Paula. Seus filhos também nasceram nessa cidade. Acredito que com o declínio do ciclo do café tiveram que migrar para Minas Gerais. Estou pesquisando sobre meus antepassados e acho que o "Livro vida de Colono" poderá me ajudar.
    Marcos Milani

    ResponderExcluir